Rindo da própria desgraça.

Yatamomo

Yatamomo

Aviso/TW: discussões sobre estupro, relacionamentos abusivos, drogas, abuso infantil, e codependência

Momo é um fudido na vida. Sem emprego, sem habilidades, sem teto, ele gasta o pouco que consegue arranjar com bebida, jogos e cigarros. Quando a situação aperta, ele vende seu corpo sem hesitação. E é assim que ele encontra o jovem Yata o encontra, seminu limpando o cu em um banheiro público, após ter sido obrigado a fazer sexo com três homens depois de perder uma partida de Mahjong.

Yata fica com pena da situação de Momo e o convida para passar a noite no seu apartamento. Mais tarde, ao ver que não teria mais para onde ir sem correr o risco de ser estuprado de novo, Momo implora para ficar mais um tempo na casa e, em troca, promete fazer qualquer perversão que o outro quiser. De início Yata recusa a oferta de sexo de Momo, mesmo achando o outro a coisa adorável da Terra, mas como o marmanjo é bem… persuasivo acaba cedendo.

yatamomo6Antes de continuar a resenha, vamos deixar algo bem claro: Yatamomo aborda relacionamentos tóxicos. Ninguém nesse mangá pode ser considerado uma “boa pessoa” e, enquanto quase todos tentam melhorar ao longo da trama, não é suficiente para diminuir as merdas que eles fazem. Se você fica desconfortável com relacionamentos codependente ou abusivos, ou qualquer tipo de humor feito em cima de estupro e abuso sexual, esse mangá não é para você.

Momo e Yata são dois opostos e o relacionamento deles funciona… de certa forma. Yata é ingênuo, trabalhador, atencioso e adora coisas fofas – o que inclui momo -, porém é ciumento, possessivo e totalmente brutal na cama. Momo é vagabundo e preguiçoso, pensando sempre no jeito mais rápido de conseguir dinheiro, o que geralmente envolve sexo. A química dos dois vem do fato de que seus conflitos costumam ser resolvidos com uma dose de diálogo e muito sexo.

Aliás, esse mangá tem muitas cenas de sexo.

yatamomo2

Tanta cena de sexo que eu tive problemas para escolher imagens que não fossem NSFW.

 

O que começa como uma relação baseada em interesse e pena, acaba sendo positiva para Momo. Yata é um terrível amante, mas é cuidadoso, limpa a casa, e se importa com os sentimentos dele até uma parte (e ainda dá dinheiro pra ele). Comparado aos “patrocinadores” que teve antes – que variavam de velhos bêbados a pervertidos sádicos – Yata é quase o paraíso. Tanto que, não querendo mais ser um peso no orçamento da casa, Momo começa a trabalhar para ter seu próprio sustento e assim conseguir seu próprio cafofo um dia. Porém, o passado dele não vai largar do seu pé tão cedo e, pior, vai querer prestar contas.

Será que Momo é capaz de encontrar o amor numa situação como essa? Bem, se você considerar uma relação codependente como algo bom nesse contexto….

A mangaká Harada é conhecida pelos seus mangás perturbadores e não que hesitam em transitar no pântano de assuntos espinhosos que o BL costuma chegar. Ela é mais conhecida pelo círculo Paraiso, onde faz doujinshis de Gintama, mas meu primeiro contato com ela foi através da oneshot Messiah no Yakubi. E não foi uma boa primeira impressão (risos). Enquanto estupro em BL não é novidade e, infelizmente, é usado como recurso barato de roteiro, poucas foram as vezes que vi um nível de sadismo igual ao dessa autora. Sem falar que mais da metade dos personagens dela parecem psicopatas prestes a fazer algo muito ruim.

yatamomo8

Por essas e outras razões que afirmo que ler um BL da Harada é como encarar um trem desgovernado em chamas. Não é bonito, não vai acabar bem, mas você não consegue matar a curiosidade de saber como isso vai terminar.

Para terem noção do quão “podre” essa autora é, o primeiro volume Yatamomo é um dos mangás mais ‘leves’ da Harada. A narrativa é rápida, com diálogos divertidos e piadas sujas até demais. As cenas se sexo não soam forçadas dentro da história e Momo é um protagonista cativante, mesmo sendo um vagabundo preguiçoso.

No entanto, apesar de divertido, existe uma sombra de tragédia que paira sobre o mangá. Porque Momo teve uma vida de merda e a cada risada fica mais claro de que ele está tentando desesperadamente varrer o que sente de verdade para debaixo do tapete. Isso se confirma ao ler a prequel Sumomono, onde é confirmado que Momo se prostitui desde criança, e o segundo volume de Yatamomo, ainda em publicação, que vai mais fundo no relacionamento complicado que teve com a mãe.

yatamomo9

Essa página é um soco no estômago.

 

 

Esse mangá com certeza não é para todos. Apesar de ser uma leitura problemática do início ao fim, a leitura é de perder o fôlego e confesso que não consegui desgrudar das páginas de Yatamomo. Harada joga pesado, mas consegue captar o leitor com a delicadeza de uma bola de demolição. Recomendo o quadrinho para aquelas que querem ler algo perverso e “ruim”, o pior que o BL pode oferecer, mas que ainda consiga rir da própria desgraça.

 


Sobre Pachi

22 anos. Dona de imensos 1,55m. Gosta de música oriental, ocidental e acidental. Viciada em BL, twitter e coca-cola. Sonha em ser editora. @dopocoke Ver todos os tópicos de Pachi

3 Comentários a Yatamomo

  1. Xeretinha

    Olá. :)
    Ótima resenha, Yatamomo é tudo isso que você falou.
    Harada é assim, mesmo nos mangás mais leves sempre tem cenas pesadas. Acho interessante porque sai daquele ambiente escolar meio singelo e lida com temas mais adultos. Me lembra Fusanosuke Inariya, porque fiquei chocada quando li Giglio, mas me apaixonei pela temática e pelos traços. A mesma coisa aconteceu com Harada. :)
    O mangá mais recente que li dela foi Yoru to Asa no Uta.

  2. Oi yaoi bom …

  3. Ola e como gay. :->

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Calendário de posts

fevereiro 2017
S T Q Q S S D
« ago   mar »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

Amazon Brasil

Lojas Online

Facebook

Twitter